jusbrasil.com.br
10 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Mato Grosso TJ-MT: XXXXX-71.2020.8.11.0000 MT - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça do Mato Grosso
há 2 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo

Publicação

Julgamento

Relator

MARIA EROTIDES KNEIP BARANJAK
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PRIMEIRA CÂMARA DE DIREITO PÚBLICO E COLETIVO

PJE - AGRAVO DE INSTRUMENTO (202) XXXXX-71.2020.8.11.0000


AGRAVANTE: ESTADO DE MATO GROSSO

AGRAVADO: INVALDO WEIS

Vistos etc.

Trata-se de Agravo de Instrumento interposto pelo ESTADO DE MATO GROSSO contra decisão proferida pelo Juízo da 6ª Vara Cível da comarca de Sinop que, nos autos do Pedido de Tutela Antecipada em Caráter Antecedente 5612-32.2016.9811.0015 requerido por INVALDO WEISS, deferiu a tutela de urgência para afastar a inscrição do Agravado nos órgãos de proteção ao crédito, sustando ou suspendendo os efeitos do protesto referente à CDA n. XXXXX, determinando a emissão da certidão de débitos fiscais estaduais positiva com efeitos de negativa em favor do requerente, se outro débito não estiver sendo cobrado.

Aponta, em síntese, que o Agravado foi autuado em 15.07.2004 pela FEMA em decorrência do desmate de 185,7729 ha sem autorização legal, gerando a multa objeto da CDA n. XXXXX.

Alegando nulidade de intimação da decisão final do processo administrativo instaurado para apurar a infração, dentre outras nulidades, o Agravado obteve a concessão do pleito antecipatório.

Rechaça os argumentos trazidos na decisão recorrida, aduzindo a validade da intimação e a inocorrência de ofensa ao contraditório e ampla defesa, destacando que houve a intimação do representante legal do interessado, nos moldes do art. 4º, II do Decreto Estadual n. 1.986/2013, na pessoa da procuradora, Dra. Ivete Rezende Rodrigues.

Aponta a inaplicabilidade dos arts. 38 e 39 da Lei Estadual 7.692/2002, que regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Estadual, diante do previsto no Decreto n. 1.986/2013, que versa exclusivamente sobre os procedimentos para apuração e julgamento de infrações administrativas por condutas e atividades lesivas ao meio ambiente.

Ressalta que não fora demonstrada a plausibilidade do direito invocado, posto que não oferecida garantia idônea, razão pela qual requer a concessão do efeito suspensivo, até o pronunciamento do Colegiado (id. XXXXX).

É o relatório.

Decido.

Para a concessão do efeito suspensivo vindicado, necessária a demonstração do prejuízo irreparável e da verossimilhança das alegações.

Consoante infere-se da decisão recorrida, constata-se que ela considerou a ausência de intimação do Recorrido quanto à decisão definitiva proferida no Processo Administrativo Ambiental n. XXXXX/2005, que aplicou a multa de R$ 18.577,29 e que deu suporte à CDA XXXXX (R$ 70.693,24), a qual foi submetida a protesto à sua revelia (id. XXXXX).

Analisando a documentação que acompanha o Agravo, constata-se que a decisão recorrida encontra fundamento probatório quanto à ausência de intimação válida do demandado pela SEMA, posto que o Recorrido forneceu endereço para ser intimado (Rua dos Manacás, n. 2.105 – Setor Industrial Sul, Sinop-MT – id. XXXXX – p. 02) e o órgão ambiental continuou a intimá-lo em endereço diverso, descrito tão somente no Auto de Infração n. 4.3913 (rua dos Amapás, 107 – Sinop - id. XXXXX) o que, em tese, configuraria cerceamento de defesa.

Assim, ao menos neste momento processual, não houve demonstração da verossimilhança das alegações trazidas pelo Recorrido suficiente a ensejar a reforma da decisão recorrida.

De igual maneira, considerando que a decisão agravada é datada de 05 de maio de 2.016, estando a Ação de base praticamente concluída para resolução de mérito, sem que tenha sido trazido pelo Agravante a demonstração de situações que apontariam a impossibilidade do Agravado em arcar com a multa que lhe foi imposta, não resta comprovada, prima facie, demonstração do prejuízo a ser suportado em caso de manutenção da medida, até o julgamento do mérito recursal.

Ante o exposto, INDEFIRO A LIMINAR.

Intime-se. Publique-se.

Comunique-se a presente decisão ao Juízo singelo, solicitando informações.

Intime-se o Agravado para apresentação das contrarrazões recursais, no prazo legal.

Após, colha-se o parecer da i. Procuradoria Geral de Justiça.

Cuiabá-MT, data da assinatura digital.

Desa. MARIA EROTIDES KNEIP

Relatora

Disponível em: https://tj-mt.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1118591434/10172817120208110000-mt/inteiro-teor-1118591440