jusbrasil.com.br
10 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Mato Grosso
há 10 meses

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

Segunda Câmara Criminal

Publicação

Julgamento

Relator

FRANCISCO ALEXANDRE FERREIRA MENDES NETO
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

ESTADO DE MATO GROSSO

PODER JUDICIÁRIO


SEGUNDA CÂMARA CRIMINAL


Número Único: XXXXX-89.2020.8.11.0003
Classe: APELAÇÃO CRIMINAL (417)
Assunto: [Roubo Majorado]
Relator: Des (a). FRANCISCO ALEXANDRE FERREIRA MENDES NETO


Turma Julgadora: [DES (A). FRANCISCO ALEXANDRE FERREIRA MENDES NETO, DES (A). LUIZ FERREIRA DA SILVA, DES (A). PEDRO SAKAMOTO]

Parte (s):
[DAVID ALAN PEREIRA SOUZA - CPF: 038.091.341-04 (APELANTE), TALES PASSOS DE ALMEIDA - CPF: 384.826.061-15 (ADVOGADO), MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO - CNPJ: 14.XXXXX/0001-57 (APELADO), PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO (REPRESENTANTE), LEANDRO BARBOSA MACHADO - CPF: 789.978.442-53 (VÍTIMA), KLAYDSTON KAWE FELIX TEIXEIRA - CPF: 061.259.361-47 (TERCEIRO INTERESSADO), VANESSA DALL ACQUA MAGALHAES - CPF: 707.233.461-00 (TERCEIRO INTERESSADO), MARCIO REZENDE DE SOUZA - CPF: 842.857.531-20 (VÍTIMA), MARCIO REZENDE DE SOUZA - CPF: 842.857.531-20 (TERCEIRO INTERESSADO), MANOEL LAUDARIO DE BAIRROS - CPF: 978.821.600-59 (TERCEIRO INTERESSADO), PABLO RANGEL PEREIRA SANTOS (VÍTIMA), GISLAYNE MUNIZ DE OLIVEIRA - CPF: 036.219.271-58 (VÍTIMA), MARA REGINA FIGUEIRA DIAS - CPF: 041.704.041-57 (VÍTIMA), ROSILEIDE PEREIRA SOARES - CPF: 819.941.841-91 (TERCEIRO INTERESSADO), CARLOS FELICIANO DE OLIVEIRA - CPF: 405.539.301-68 (VÍTIMA), RODRIGO DE SOUZA - CPF: 012.960.901-32 (TERCEIRO INTERESSADO), SANDRA JESUS DO NASCIMENTO - CPF: 019.637.861-30 (VÍTIMA), ANA CAROLINA OLIVEIRA DA SILVA - CPF: 053.837.801-81 (VÍTIMA), MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO - CNPJ: 14.XXXXX/0001-57 (CUSTOS LEGIS)]

A C Ó R D Ã O
Vistos, relatados e discutidos os autos em epígrafe, a SEGUNDA CÂMARA CRIMINAL do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, sob a Presidência Des (a). RUI RAMOS RIBEIRO, por meio da Turma Julgadora, proferiu a seguinte decisão: POR UNANIMIDADE, DESPROVEU O RECURSO.

E M E N T A

APELAÇÃO CRIMINAL – SENTENÇA CONDENATÓRIA – ARTIGO 157, § 2º, II, E § 2º-A, I, C/C ART. 14, INCISO II, C/C ARTIGO 311, NA FORMA DO ARTIGO 69, TODOS DO CÓDIGO PENAL – APELO DEFENSIVO – RECONHECIMENTO DA INIMPUTABILIDADE OU SEMI-IMPUTABILIDADE PENAL (ART. 26, DO CP)– IMPOSSIBILIDADE – AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO – DOCUMENTOS JUNTADOS NÃO COMPROVAM A CAPACIDADE INTELECTO VOLITIVA DO AGENTE - RECURSO DESPROVIDO.

A simples prova da existência de doença mental não conduz ao reconhecimento da inimputabilidade ou semi-imputabilidade, sendo necessária a avaliação do caso concreto, para verificar a capacidade intelecto volitiva do agente. Portanto não basta a presença de enfermidade mental, mas é indispensável a prova de que a doença afetou a capacidade de compreensão do ilícito, ou de determinação segundo este entendimento, à época do fato criminoso.

R E L A T Ó R I O

Trata-se de recurso de apelação criminal interposto por David Alan Pereira de Souza contra a sentença prolatada na ação penal n. XXXXX-89.2020.8.11.0003, pelo juízo da 3ª Vara Criminal da Comarca de Rondonópolis, que o condenou pela prática do delito tipificado no art. 157, § 2º, II, e § 2º-A, I, c/c art. 14, II, c/c art. 311, na forma do art. 69 (concurso material), todos do Código Penal, à uma pena de 07 (sete) anos, 11 (onze) meses e 15 (quinze) dias de reclusão, em regime inicial fechado, e ao pagamento de 30 (trinta) dias-multa (Id. XXXXX).

Inconformado, através da Defensoria Pública interpôs recurso de apelação criminal. Nas razões recursais, requer seja aplicado o caput do artigo 26 do Código Penal e, subsidiariamente, o parágrafo único do mesmo artigo, sob argumento de que o réu não era inteiramente capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. (Id. XXXXX).

Em contrarrazões o Ministério Público pugna pela manutenção da sentença em todos os termos (Id. XXXXX).

Nesta instância, a douta Procuradoria Geral de Justiça, através do eminente Procurador de Justiça Jorge da Costa Lana, manifestou pelo improvimento do recurso (Id. XXXXX), sintetizando com a seguinte ementa:

“APELAÇÃO CRIMINAL – RECURSO DEFENSIVO - APELANTE CONDENADO NAS PENAS DO ARTIGO 157, § 2º, INCISOS I E II, DO CÓDIGO PENAL – ABSOLVIÇÃO POR INIMPUTABILIDADE POR DEPENDÊNCIA QUÍMICA – IMPOSSIBILIDADE – AUSÊNCIA DE LAUDO – CRITÉRIO BIOPSICOLÓGICO DE AFERIÇÃO - PELO IMPROVIMENTO DO RECURSO.””.

É o relatório.

V O T O R E L A T O R

Como visto, trata-se de recurso de apelação criminal interposto por David Alan Pereira de Souza contra a sentença prolatada na ação penal n. XXXXX-89.2020.8.11.0003, pelo juízo da 3ª Vara Criminal da Comarca de Rondonópolis, que o condenou pela prática do delito tipificado no art. 157, § 2º, II, e § 2º-A, I, c/c art. 14, II, c/c art. 311, na forma do art. 69 (concurso material), todos do Código Penal, à uma pena de 07 (sete) anos, 11 (onze) meses e 15 (quinze) dias de reclusão, em regime inicial fechado, e ao pagamento de 30 (trinta) dias-multa.

Nas razões recursais requer seja aplicado o caput do artigo 26 do Código Penal e, subsidiariamente, o parágrafo único do mesmo artigo, sob argumento de que o réu é portador de grave doença mental, e que essa circunstância teria sido desconsiderada pelo Juízo de piso. Diante disso, requer a reforma da sentença para o fim de reconhecer a inimputabilidade do réu.

Pois bem.

Analisando os autos, verifica-se que ao contrário do que alega a defesa, o juiz sentenciante analisou o pleito,

Inicialmente consigno que, com relação ao pleito defensivo para o reconhecimento da inimputabilidade ou semi-imputabilidade do acusado, em razão dele ser portador de esquizofrenia, a meu ver, NÃO merece acolhimento, pois para a comprovação dessa patologia, é imperiosa a realização de perícia médica, através da instauração do devido incidente de insanidade mental, cujo procedimento, em momento algum foi solicitado pela defesa técnica. Ademais, sob minha ótica, a documentação acostada pela defesa na resposta à acusação, não demonstra de forma indene de dúvidas, que o réu, ao tempo da ação, era inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato, além do mais, é relevante mencionar que, conforme dispõe o art. 154, do CPP, o mencionado exame pode ser feito inclusive durante a fase de execução penal.

Neste norte, temos os seguintes julgados:

APELAÇÃO. PENAL E PROCESSUAL PENAL. ROUBO MAJORADO. USO DE ARMA DE FOGO CONCURSO MATERIAL DE CRIMES. ART. 157, § 2º, I, C/C ART. 69, DO CÓDIGO PENAL. INIMPUTABILIDADE OU SEMI-IMPUTABILIDADE, SEM A PRÉVIA INSTAURAÇÃO DE INCIDENTE DE INSANIDADE MENTAL. IMPOSSIBILIDADE. AUTORIA E MATERIALIDADE COMPROVADAS. RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO. 1. Apelação interposta contra sentença que condenou o recorrente pela prática das condutas tipificadas no art. 157, § 2º, I, c/c art. 69, do Código Penal à pena de 16 (dezesseis) anos de reclusão, a ser cumprida inicialmente em regime fechado, e a 60 (sessenta) dias-multa. 2. A materialidade e autoria restaram caracterizadas pelo Auto de Prisão em Flagrante Delito (fls. 02/03), Auto de Apresentação e Apreensão (fls. 07),os depoimentos das vítimas, bem como das testemunhas e termos de reconhecimento. 3. Alegação de inimputabilidade ou semi-imputabilidade requesta a prévia instauração do incidente de insanidade mental. A simples alegação de ser dependente em cocaína não prospera, vez que deve se submeter à perícia médica. Informativo nº 675, do STJ, de 14 de agosto de 2020: O reconhecimento da inimputabilidade ou semi-imputabilidade do réu depende de instauração de incidente de insanidade mental e do respectivo exame médico-legal nele previsto. 3. Razoabilidade e proporcionalidade na fixação da pena. O magistrado de primeiro grau fixou a pena-base no mínimo legal, tendo aplicado a causa de aumento da pena, igualmente, no mínimo legal previsto no art. 157, § 2º, I, c/c art. 69, do Código Penal. 4. Recurso conhecido e não provido. (TJCE; ACr XXXXX-66.2016.8.06.0001; Primeira Câmara Criminal; Rel. Des. Francisco Carneiro Lima; DJCE 20/10/2020; Pág. 203)

PENAL E PROCESSUAL PENAL. APELAÇÃO CRIMINAL. ROUBO MAJORADO. EMPREGO DE ARMA DE FOGO. MATERIALIDADE E AUTORIA DELITIVA. COMPROVAÇÃO. ALEGAÇÃO DE SEMI-IMPUTABILIDADE. REQUERIMENTO DE INCIDENTE DE INSANIDADE MENTAL. INOCORRÊNCIA. PERÍCIA MÉDICA OFICIAL. ÉPOCA DOS FATOS. INEXISTÊNCIA. RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO. 1. Nos casos de semi-imputabilidade (art. 26, parágrafo único, do Código Penal), o abrandamento da sanção deve ser equivalente ao grau de capacidade do agente em entender o caráter ilícito do fato e de determinar-se de acordo com esse entendimento, conforme especificado em perícia médica. 2. A perícia realizada pelo INSS objetivou averiguar se o apelante tinha capacidade laborativa, no ano de 2014, a fim de se deferir ou não benefício assistencial, de modo que não serve para atestar sua capacidade mental reduzida para compreender o caráter ilícito dos fatos descritos na peça acusatória, quando de sua prática no ano de 2018, e de determinar-se de acordo com esse entendimento. 3. Recurso conhecido e não provido. (TJDF; APR 2018.05.1.003571-0; Ac. 119.9052; Primeira Turma Criminal; Rel. Des. Carlos Pires Soares Neto; Julg. 29/08/2019; DJDFTE 12/09/2019)

Ademais, a ação penal deve ser julgada totalmente procedente, pois vejamos:

...” (Id. XXXXX-n.n).

Conforme se verifica, ao contrário do que alega a defesa, o pedido foi devidamente analisado pelo Magistrado “a quo”, tendo sido indeferido, em razão da ausência de comprovação do alegado.

De acordo com o art. 26, caput, do Código Penal, “ é isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. (sic-n.n.)

O parágrafo único preceitua que “a pena pode ser reduzida de um a dois terços, se o agente, em virtude de perturbação de saúde mental ou por desenvolvimento mental incompleto ou retardado não era inteiramente capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento”.

Como se observa, o legislador adotou, em relação à inimputabilidade ou semi-imputabilidade, o critério biopsicológico normativo, segundo o qual, a simples prova da existência de doença mental não conduz ao reconhecimento da inimputabilidade ou semi-imputabilidade, sendo necessária a avaliação do caso concreto, para verificar a capacidade intelecto volitiva do agente. Portanto não basta a presença de enfermidade mental, mas é indispensável a prova de que a doença afetou a capacidade de compreensão do ilícito, ou de determinação segundo este entendimento, à época do fato criminoso.

O impetrante alega possuir esquizofrenia, doença mental. Entretanto os documentos juntados aos autos (prontuários médicos e atestado) não nos permite concluir pela sua inimputabilidade ou semi-imputabilidade, mas apenas demonstram que o transtorno psiquiátrico estava sob controle, não suprimindo do recorrente a capacidade intelectual ou volitiva.

E como bem pontuou a Procurador de Justiça em seu parecer, embora a defesa alegue a existência de problemas mentais em relação ao acusado, não se incumbiu de requerer a instauração de incidente de insanidade mental.

A propósito:

RECURSO ESPECIAL. ESTUPRO. CONTRARIEDADE AO ART. 26 DO CP E NEGATIVA DE VIGÊNCIA DO ART. 149 DO CPP. ACÓRDÃO IMPUGNADO QUE RECONHECEU A CONDIÇÃO DE SEMI-IMPUTÁVEL DO RECORRIDO (ART. 26, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CP), SEM EXAME MÉDICO-LEGAL. ILEGALIDADE. IMPRESCINDIBILIDADE DO EXAME PERICIAL.

1. O art. 149 do CPP não contempla hipótese de prova legal ou tarifada, mas a interpretação sistemática das normais processuais penais que regem a matéria indica que o reconhecimento da inimputabilidade ou semi-imputabilidade do réu (art. 26, caput e parágrafo único do CP) depende da prévia instauração de incidente de insanidade mental e do respectivo exame médico-legal nele previsto, sendo possível, ao Juízo, discordar das conclusões do laudo, desde que por meio de decisão devidamente fundamentada.

2. Recurso especial provido para cassar, em parte, o acórdão exarado no julgamento da Apelação Criminal n. XXXXX - especificamente na parte que aplicou o redutor do art. 26, parágrafo único, do CP - a fim de que, verificada a dúvida acerca da sanidade mental do recorrido à época do crime, seja determinada a baixa dos autos ao Juízo de origem para realização de exame médico-legal nos termos do art. 149 do CPP.

(REsp XXXXX/RS, Rel. Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR, SEXTA TURMA, julgado em 23/06/2020, DJe 30/06/2020)”

Por todo exposto, nego provimento ao recurso de apelação interposto por David Alan Pereira de Souza, mantendo a sentença proferida em todos os termos.

É como voto.


Data da sessão: Cuiabá-MT, 06/10/2021

Disponível em: https://tj-mt.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1305440677/10224598920208110003-mt/inteiro-teor-1305441194

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 11 meses

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Embargos Infringentes e de Nulidade: EI XXXXX-91.2021.8.21.7000 RS

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciaano passado

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgRg no AREsp XXXXX DF 2020/XXXXX-7

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-43.2020.8.07.0010 DF XXXXX-43.2020.8.07.0010

Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo TJ-ES - Habeas Corpus: HC XXXXX-67.2003.8.08.0000

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciaano passado

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ORDINARIO EM HABEAS CORPUS: RHC XXXXX AL 2020/XXXXX-0