jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Mato Grosso
há 18 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

HC 0024046-37.2004.8.11.0000 24046/2004

Órgão Julgador

PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

Publicação

29/06/2004

Julgamento

22 de Junho de 2004

Relator

DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-MT_HC_00240463720048110000_33f5b.pdf
RelatórioTJ-MT_HC_00240463720048110000_547b7.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ

Fls .------

PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

"HABEAS CORPUS" Nº 24046/2004 - CLASSE I - 09 - COMARCA DE CÁCERES


IMPETRANTE(S): 
  
DR. LUIZ MIGUEL CHAMI GATTASS 
    

PACIENTE(S): 
  
CLAUDINEY SANTOS PEDROSO SILVA 
    

Número do Protocolo : 24046/2004
Data de Julgamento : 22-6-2004 
        

EMENTA
"HABEAS 
  
CORPUS" - CRIME CONTRA OS COSTUMES 
  

TRANCAMENTO DA
DE PROVAS - VIA ESTREITA 
  
AÇÃO PENAL - PROCESSO QUE DEPENDE DE EXAME
DO "WRIT" - ORDEM DENEGADA. 
    

Cuiadando-se 
  
de ação penal de crime contra os costumes, 
  

desenvolvimento do processo,
chegar à verdade real.
admissível quando há
manifestamente inocente. 


com produção de provas, é imprescindível para
trancamento da ação penal por meio de "habeas corpus" só
atipicidade absoluta da conduta do agente ou quando ele 

se 

é
é 

TJ

Fls .------

PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

"HABEAS CORPUS" Nº 24046/2004 - CLASSE I - 09 - COMARCA DE CÁCERES

RELATÓRIO

EXMO. SR. DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO

Egrégia Câmara:

Claudineuy Santos Pedroso Silva foi denunciado, na Comarca de Cáceres, como incurso no art. 227, § 3º, do Código Penal, após ter sido preso em flagrante delito, no dia 21-4-2003, num barco, na cidade de Cáceres, acompanhado de 16 “moças de programa”. Requer, via do presente, o remédio constitucional, trancamento da ação penal, alegando constrangimento ilegal contra si, porque, segundo alega, sua prisão foi abusiva, posto que não praticara nenhum ato delituoso. Procura, dentro do pedido, questionar a ação penal instaurada contra si, por mediação, para servir a lascívia de outrem.

A autoridade coatora informa que o trancamento da ação penal é precipitado, porquanto as provas em juízo estão sendo produzidas, aguardando cumprimento de Cartas Precatórias, sem prejuízo ao paciente que responde a ação penal em liberdade.

Nesta instância, a Procuradoria de Justiça, em parecer do ilustre Procurador Dr. Benedito X. S. Corbelino, foi pela denegação da ordem pleiteada.     

É o relatório.

P A R E C E R (ORAL)

O SR. DR. JOÃO BATISTA DE ALMEIDA

Ratifico o parecer escrito.

TJ

Fls .------

PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

"HABEAS CORPUS" Nº 24046/2004 - CLASSE I - 09 - COMARCA DE CÁCERES

VOTO

EXMO. SR. DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO (RELATOR)

Egrégia Câmara:

A Organização das Nações Unidas exortou os países membros a engajarem na luta contra a exploração sexual, disseminada, de forma indiscriminada, por vários pontos turísticos do mundo. O Brasil, apontado como um dos países onde há grande turismo sexual, desencadeou uma campanha sistemática, na mídia, acompanhada de operações específicas, levada a efeito pela Polícia Federal, para coibir esse nefasto tipo de comércio.

Com efeito, o caso presente trata-se do famoso “Barco do Amor”, numa alusão a uma antiga série que passava na televisão, em que turistas, além do lazer da pesca, contam com companhia feminina. Pois bem. O paciente foi preso com seu barco, acompanhado de 16 "garotas de programa", agenciadas de uma boate da cidade, para lascívia de outrem, num autêntico turismo sexual, facilitando a prostituição. Inclusive, as acompanhantes pagaram ao paciente R$850,00 pela intermediação e atos das despesas inerentes, aluguel do barco, alimentação e combustível, quantia essa apreendida. Esse fato se deu em 21 de abril de 2003, do qual o paciente foi denunciado (fls. 07/10-TJ) e atualmente encontra-se respondendo ao processo em liberdade. Com o pedido, procura trancar a ação penal, questionando o mérito e ressarcimento do numerário apreendido.

Porém, para fins de trancamento de ação penal, somente é admissível incursão nas provas pré-constituídas, como deseja o impetrante, quando estas exsurgem, à primeira vista, demonstrando a atipicidade absoluta da conduta ou quando o paciente é manifestamente inocente e está sofrendo gritante injustiça. Nesse sentido, a jurisprudência:

“O trancamento da ação penal por falta de justa causa só se viabiliza quando, pelo exame da simples exposição dos fatos da denúncia, constata-se que há imputação de fato atípico ou ausência de qualquer elemento indiciário configurador da autoria” (RT 725/526).

De nosso Tribunal:

TJ

Fls .------

PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

"HABEAS CORPUS" Nº 24046/2004 - CLASSE I - 09 - COMARCA DE CÁCERES

“O 'habeas corpus' não é via adequada para o trancamento da ação penal por justa causa, se a denúncia descreve fato penalmente tipificado e o exame da pretensão envolve matéria probatória” (HC nº 548/2002 - Juína - TJMT - Rel. Desa. Shelma Lombardi de Kato).

Assim, o caso em questão envolve matéria profunda para uma singela análise no estreito caminho optado pelo impetrante. Na espécie, presente o fato típico e indícios fortes de autoria, não há como trancar a ação penal, sendo o "habeas corpus" meio inidôneo para a finalidade escolhida.

Cuidando-se de ação penal por mediação para servir à lascívia de outrem, com inúmeras nuances, o desenvolvimento do processo com produção de prova oral e material é imprescindível para se chegar à verdade real. Como bem salientou a nobre Procuradoria de Justiça, em seu culto parecer, não há como superar a instrução probatória, que há de ser feita na ação penal, sob pena de suprimir instâncias e postergar o direito em detrimento da sociedade.

O paciente encontra-se respondendo a ação penal em liberdade, sem prejuízo de seu direito de locomoção, tendo no processo toda a liberdade do contraditório e garantia da ampla defesa para comprovar, com segurança e lastro probatório, que a razão e o direito lhe socorre, se for o caso.

Por todo o exposto e acompanhando o parecer ministerial denego a ordem.

É como voto.

TJ

Fls .------

PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

"HABEAS CORPUS" Nº 24046/2004 - CLASSE I - 09 - COMARCA DE CÁCERES

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos do "HABEAS CORPUS" Nº 24046/2004 - CLASSE I - 09 - COMARCA DE CÁCERES.

ACORDAM os Membros da PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, sob a Presidência da DESA. SHELMA LOMBARDI DE KATO, à unanimidade, em denegar o "writ", nos termos do voto do relator. A decisão é de acordo com o parecer. A composição da Câmara Julgadora foi a seguinte: DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO (Relator convocado), DESA. SHELMA LOMBARDI DE KATO (1ª Vogal) e DR. RUI RAMOS RIBEIRO (2º Vogal).

Cuiabá, 22 de junho de 2004.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------DESEMBARGADORA SHELMA LOMBARDI DE KATO - PRESIDENTE DA PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

--------------------------------------------------------------------------------------------------------DOUTOR JOSÉ LUIZ DE CARVALHO - RELATOR

--------------------------------------------------------------------------------------------------------PROCURADOR DE JUSTIÇA

Disponível em: https://tj-mt.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/317479728/habeas-corpus-hc-240463720048110000-24046-2004/inteiro-teor-317479746