jusbrasil.com.br
22 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Mato Grosso
há 18 anos
Detalhes da Jurisprudência
Processo
HC 0024046-37.2004.8.11.0000 24046/2004
Órgão Julgador
PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL
Publicação
29/06/2004
Julgamento
22 de Junho de 2004
Relator
DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-MT_HC_00240463720048110000_33f5b.pdf
RelatórioTJ-MT_HC_00240463720048110000_547b7.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Relatório

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Justiça

Consulta de Jurisprudência

Informações do Processo

Número: 24046/2004

Relator: DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO

Data do Julgamento: 22/06/2004

Descrição

IMPETRANTE(S): DR. LUIZ MIGUEL CHAMI GATTASS PACIENTE(S): CLAUDINEY SANTOS PEDROSO SILVA

Número do Protocolo : 24046/ 2004

Data de Julgamento: 22-6-2004

EMENTA

"HABEAS CORPUS" - CRIME CONTRA OS COSTUMES - TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL - PROCESSO QUE DEPENDE DE EXAME DE PROVAS - VIA ESTREITA DO "WRIT" - ORDEM DENEGADA.

Cuiadando-se de ação penal de crime contra os costumes, o desenvolvimento do processo, com produção de provas, é imprescindível para se chegar à verdade real. O trancamento da ação penal por meio de "habeas corpus" só é admissível quando há atipicidade absoluta da conduta do agente ou quando ele é manifestamente inocente.

RELATÓRIO

EXMO. SR. DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO

Egrégia Câmara:

Claudineuy Santos Pedroso Silva foi denunciado, na Comarca de Cáceres, como incurso no art. 227, § 3º, do Código Penal, após ter sido preso em flagrante delito, no dia 21-4-2003, num barco, na cidade de Cáceres, acompanhado de 16 “moças de programa”. Requer, via do presente, o remédio constitucional, trancamento da ação penal, alegando constrangimento ilegal contra si, porque, segundo alega, sua prisão foi abusiva, posto que não praticara nenhum ato delituoso. Procura, dentro do pedido, questionar a ação penal instaurada contra si, por mediação, para servir a lascívia de outrem.

A autoridade coatora informa que o trancamento da ação penal é precipitado, porquanto as provas em juízo estão sendo produzidas, aguardando cumprimento de Cartas Precatórias, sem prejuízo ao paciente que responde a ação penal em liberdade.

Nesta instância, a Procuradoria de Justiça, em parecer do ilustre Procurador Dr. Benedito X. S. Corbelino, foi pela denegação da ordem pleiteada.

É o relatório.

P A R E C E R (ORAL)

O SR. DR. JOÃO BATISTA DE ALMEIDA

Ratifico o parecer escrito.

VOTO

EXMO. SR. DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO (RELATOR)

Egrégia Câmara:

A Organização das Nações Unidas exortou os países membros a engajarem na luta contra a exploração sexual, disseminada, de forma indiscriminada, por vários pontos turísticos do mundo. O Brasil, apontado como um dos países

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Justiça

Consulta de Jurisprudência

onde há grande turismo sexual, desencadeou uma campanha sistemática, na mídia, acompanhada de operações específicas, levada a efeito pela Polícia Federal, para coibir esse nefasto tipo de comércio.

Com efeito, o caso presente trata-se do famoso “Barco do Amor”, numa alusão a uma antiga série que passava na televisão, em que turistas, além do lazer da pesca, contam com companhia feminina. Pois bem. O paciente foi preso com seu barco, acompanhado de 16 "garotas de programa", agenciadas de uma boate da cidade, para lascívia de outrem, num autêntico turismo sexual, facilitando a prostituição. Inclusive, as acompanhantes pagaram ao paciente R$850,00 pela intermediação e atos das despesas inerentes, aluguel do barco, alimentação e combustível, quantia essa apreendida. Esse fato se deu em 21 de abril de 2003, do qual o paciente foi denunciado (fls. 07/10-TJ) e atualmente encontra-se respondendo ao processo em liberdade. Com o pedido, procura trancar a ação penal, questionando o mérito e ressarcimento do numerário apreendido.

Porém, para fins de trancamento de ação penal, somente é admissível incursão nas provas pré-constituídas, como deseja o impetrante, quando estas exsurgem, à primeira vista, demonstrando a atipicidade absoluta da conduta ou quando o paciente é manifestamente inocente e está sofrendo gritante injustiça. Nesse sentido, a jurisprudência:

“O trancamento da ação penal por falta de justa causa só se viabiliza quando, pelo exame da simples exposição dos fatos da denúncia, constata-se que há imputação de fato atípico ou ausência de qualquer elemento indiciário configurador da autoria” (RT 725/526).

De nosso Tribunal:

“O 'habeas corpus' não é via adequada para o trancamento da ação penal por justa causa, se a denúncia descreve fato penalmente tipificado e o exame da pretensão envolve matéria probatória” (HC nº 548/2002 - Juína - TJMT - Rel. Desa. Shelma Lombardi de Kato).

Assim, o caso em questão envolve matéria profunda para uma singela análise no estreito caminho optado pelo impetrante. Na espécie, presente o fato típico e indícios fortes de autoria, não há como trancar a ação penal, sendo o "habeas corpus" meio inidôneo para a finalidade escolhida.

Cuidando-se de ação penal por mediação para servir à lascívia de outrem, com inúmeras nuances, o desenvolvimento do processo com produção de prova oral e material é imprescindível para se chegar à verdade real. Como bem salientou a nobre Procuradoria de Justiça, em seu culto parecer, não há como superar a instrução probatória, que há de ser feita na ação penal, sob pena de suprimir instâncias e postergar o direito em detrimento da sociedade.

O paciente encontra-se respondendo a ação penal em liberdade, sem prejuízo de seu direito de locomoção, tendo no processo toda a liberdade do contraditório e garantia da ampla defesa para comprovar, com segurança e lastro probatório, que a razão e o direito lhe socorre, se for o caso.

Por todo o exposto e acompanhando o parecer ministerial denego a ordem.

É como voto.

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos do "HABEAS CORPUS" Nº 24046/2004 - CLASSE I - 09 - COMARCA DE CÁCERES.

ACORDAM os Membros da PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, sob a Presidência da DESA. SHELMA LOMBARDI DE KATO, à unanimidade, em denegar o "writ", nos termos do voto do relator. A decisão é de acordo com o parecer. A composição da Câmara Julgadora foi a seguinte: DR. JOSÉ LUIZ DE CARVALHO (Relator convocado), DESA. SHELMA LOMBARDI DE KATO (1ª Vogal) e DR. RUI RAMOS RIBEIRO (2º Vogal).

Cuiabá, 22 de junho de 2004.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

DESEMBARGADORA SHELMA LOMBARDI DE KATO - PRESIDENTE DA PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

DOUTOR JOSÉ LUIZ DE CARVALHO - RELATOR

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Justiça

Consulta de Jurisprudência

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

PROCURADOR DE JUSTIÇA

Disponível em: https://tj-mt.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/317479728/habeas-corpus-hc-240463720048110000-24046-2004/relatorio-317479778