jusbrasil.com.br
27 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Mato Grosso TJ-MT - APELAÇÃO CRIMINAL: APR 0020802-06.2018.8.11.0002 MT

Tribunal de Justiça do Mato Grosso
há 2 anos
Detalhes da Jurisprudência
Processo
APR 0020802-06.2018.8.11.0002 MT
Órgão Julgador
Terceira Câmara Criminal
Publicação
12/03/2020
Julgamento
11 de Março de 2020
Relator
JUVENAL PEREIRA DA SILVA
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

V.V. RECURSO DE APELAÇÃO CRIMINALTRÁFICO DE DROGASSENTENÇA CONDENATÓRIAINCONFORMISMO DO RÉU – PRELIMINARES:

1) NULIDADE POR CERCEAMENTO DE DEFESA ANTE O INDEFERIMENTO DE REALIZAÇÃO DE PERÍCIA – PROVA REQUERIDA INÚTIL E PROTELATÓRIA – APLICAÇÃO SUBSIDIÁRIA DO ART. 370, CAPUT E PARÁGRAFO ÚNICO, CPC – 2) NULIDADE DA PROVA ILÍCITA – SUPOSTA INCIDÊNCIA DA TEORIA DO FRUTO DA ÁRVORE ENVENENADAINOCORRÊNCIAAPELANTE EM ESTADO DE FLAGRANTE DELITOMATERIALIDADE E AUTORIA DO CRIME DE TRÁFICO COMPROVADAS NESTES AUTOS – VERSÃO INVEROSSÍMIL APRESENTADA PELO APELANTE DE VENDA DE ROUPAS AOS POLICIAIS – PRELIMINARES REJEITADAS – 3) DO PLEITO DE ABSOLVIÇÃO POR AUSÊNCIA DE DOLO – INVIABILIDADEMATERIALIDADE E AUTORIA COMPROVADAS – DEPOIMENTOS DOS POLICIAIS RESPONSÁVEIS PELA PRISÃO EM FLAGRANTE E DA TESTEMUNHA QUE REFUTOU O ÁLIBI DO APELANTE – 4) REDIMENSIONAMENTO DA PENA-BASE PARA O MÍNIMO LEGAL – IMPOSSIBILIDADENOCIVIDADE DA DROGA QUE JUSTIFICA A EXASPERAÇÃO DA PENA – 5) RECONHECIMENTO DO TRÁFICO PRIVILEGIADO – IMPOSSIBILIDADEQUANTIDADE DA DROGA QUE EVIDENCIA DEDICAÇÃO À ATIVIDADES CRIMINOSAS – 6) FIXAÇÃO DO REGIME ABERTO PARA O CUMPRIMENTO DE PENA – NATUREZA E QUANTIDADE DA DROGA IMPEDEM A MODIFICAÇÃO - ENUNCIADO Nº. 47 DO TJMT – 7) DA DETRAÇÃO PENAL EM RELAÇÃO A PRISÃO CAUTELAR – COMPETÊNCIA DO JUÍZO DAS EXECUÇÕES PENAIS – 8) SUBSTITUIÇÃO DA PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE POR RESTRITIVAS DE DIREITOS – IMPOSSIBILIDADE JURÍDICAPENA SUPERIOR A QUATRO ANOS – INTELIGÊNCIA DO ART ; 44, I, DO CP – 9) RECURSO DESPROVIDO. 1) A questão do deferimento/indeferimento de uma determinada prova depende de avaliação por parte do magistrado, do quadro probatório existente e da necessidade dessa prova, conforme previsto no art. 370 caput e parágrafo único, do Novo Código de Processo Civil, acerca da possibilidade de indeferimento das diligências inúteis e protelatórias.
2) A apreensão de significativa quantidade de drogas, qual seja, 15.088,77kg (quinze quilos, oitenta e oito gramas e setenta e sete centigramas) de cocaína, levada a efeito pela autoridade policial é perfeitamente válida para comprovar a traficância, isso porque decorreu de flagrante, precedido de denúncia anônima recebida pela polícia militar acerca da comercialização de entorpecente realizada na residência em que o apelante se encontrava, razão pela qual necessário o afastamento da preliminar de nulidade da “prova ilícita”.
3) A prova contida nos autos autoriza a manutenção da condenação do apelante pelo crime de tráfico, sendo inviável a pretendida absolvição por ausência de dolo nas condutas, tendo em vista não ter sido comprovado o álibi, alicerçando a imputação contra si lançada pelo órgão ministerial, nos termos preconizados pelo art. 156 do CPP.
4) A causa especial de diminuição prevista no art. 33, § 4º, da Lei de Drogas é incompatível com réu que se dedica às atividades criminosas, como é no caso dos autos, onde a quantidade de droga apreendida (mais de 15 kg de cocaína) e as circunstâncias do delito evidenciam o exercício de dedicação do réu ao ilícito penal.
5) O fato de o sentenciante ter destacado, para exasperar a pena-base, apenas a nocividade da droga apreendida não viola o disposto no art. 42 da Lei n. 11.343/2006, pois este não exige a cumulatividade dos requisitos referentes à quantidade e à natureza do entorpecente (STJ, HC 358.166/SC, rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, j. em 18.08.2016).
6) O Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, firmou entendimento no sentido de que a quantidade e a natureza da droga do artigo 42 da Lei de Drogas, permite a fixação de regime mais gravoso para o cumprimento inicial da pena, conforme Enunciado nº. 47: “A valoração negativa da quantidade e natureza do entorpecente constitui fundamento idôneo para a determinação de regime mais gravoso para o cumprimento inicial da pena privativa de liberdade”. (N.U 0026080-27.2014.8.11.0002, JUVENAL PEREIRA DA SILVA, TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL, Julgado em 12/09/2018, Publicado no DJE 21/09/2018).
7) A detração da pena deverá ser realizada pelo Juízo das Execuções Penais, dada a impossibilidade de, nesta instância revisora, computar, com segurança, o tempo em que ele se encontra preso, até por que a detração, neste momento, não irá influenciar na determinação do regime de cumprimento da reprimenda do apelante.
8) Por expressa vedação do art. 44, I, do CP, não faz jus à substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos o réu cuja pena aplicada é superior a 04 (quatro) anos. 9) Recurso desprovido.
Disponível em: https://tj-mt.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/839129412/apelacao-criminal-apr-208020620188110002-mt

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 6 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 358166 SC 2016/0144936-4

Tribunal de Justiça do Mato Grosso
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Mato Grosso TJ-MT - Apelação: APL 0026080-27.2014.8.11.0002 MT

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal: APR 10693180019574001 MG

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 8 anos

Supremo Tribunal Federal STF - REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO: ARE 666334 AM

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 9 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 268931 MS 2013/0115361-6